6 de set de 2006

Farol da Serreta


A caminho do farol da Serreta podemos observar uma vegetação luxuriante de laurissilva que por vezes contrasta com as formas estranhas que a lava por ali ganhou ao arrefecer. A floresta laurissilva é endémica e as plantas mais comuns são as Lauráceas como o Loureiro (Laurus novocanariensis), o Vinhático (Persea indica), o Til (Ocotea foetens), e o Barbusano (Apollonias barbujana). A palavra laurissilva deriva do latim Laurus (loureiro, lauráceas) e Silva (floresta, bosque).
 Posted by Picasa

3 comentários:

azoriana disse...

Você tem conhecimentos técnico-científicos que eu não tenho e assim fico (ficamos todos) a saber mais deste nosso verde imenso.
O meu apelido Silva até se adequa a esta floresta, bosque e aos silvados propriamente ditos que, apesar de terem espinhos, podem dar-nos umas amoras que são uma delícia (ao natural ou em compota).
A compota de amoras silvestres da Terceira é de comer e chorar por mais. Será que provou?

Moura disse...

Que pena não ter provado! Mas sou um adepto de compotas, aliás de tudo o que é bom...e doce!

Tozé Franco disse...

Ena, ena! (onde é que eu ja ouvi isto?)
A coisa está tão avançada que até já mete latim.
Isto promete...