12 de mai de 2007

Que maravilhas ?


Os meus blogomigos devem ter estranhado a ausência de quase uma semana do Arqueólogo-Moura. Eu próprio estranhei!! Num ano e pouco de blog nunca a ausência tinha sido tão grande. Mas o meu sistema de auto-controle físico-emocional que ajuda a gerir o tempo levou a que fosse o blog a ficar de lado. Os meus neurónios andaram pelo Teste Intermédio de Matemática do 11º ano, pelas Provas de Aferição do 6º ano, pela Festa da Família (a não perder no fim de semana de 2 de Junho), pelas tradicionais aulas a leccionar durante a semana e testes que se começam a avolumar na secretária.

Acabei de comprar um guia elaborado para o Modelo/Continente que se intitula "Guia das Maravilhas de Portugal", que apanha esta onda colectiva dos tops a atirar para rankings... dos monumentos mais interessantes deste rectângulo à beira mar plantado. Por um lado fico satisfeito que o património seja alvo de uma campanha de divulgação junto das massas, que na maior parte desconhece quer os monumentos elencados, quer o contexto em que foram gerados. Por 2 euros podem ter um livrinho interessante com cerca de 260 páginas...a cores.
Fico insatisfeito é com a ausência de um dos achados arqueológicos mais importantes do século passado, a nível mundial, que se encontra no Douro Vinhateiro. Refiro-me às Gravuras do Vale do Côa onde se podem observar as obras de arte mais antigas da humanidade na versão original, in loco.
Tiro o chapéu ao semanário francês L'Express International, que na edição nº 2580, de Dezembro de 2000...elencava Les sept nouvelles merveilles du monde, na viragem para o novo século. Este trabalho foi desenvolvido por especialistas em Arte, História e Arqueologia... o que faz com que eu volte a tirar o chapéu, uma vez que não cairam no populismo de fazer por telefone estas escolhas que devem ser sérias.
Aparecem os seguintes locais: Mehrgarh, uma das primeiras cidades com cerca de 7 mil anos, no Paquistão, Zeugma, um tesouro da época greco-romana, na Turqia, Bonampak, fazendo memória aos Maias, no México, Xi'an, com os enigmáticos soldados em argila, na China, Tassili des Ajjer, com arte rupestre na Argélia, Pâques, na ilha misteriosa da Páscoa...e FOZ CÔA, un Lascaux portugais, segundo a revista que lhe consagra 4 páginas.
Gostei deste estudo e guardo religiosamente esta revista!

Dá vontade de perguntar: e você já foi a Foz Côa?
Eu já lá fui umas 10 vezes...nos cerca de dez anos que se encontra aberta ao público!!
Posted by Picasa

13 comentários:

Meg disse...

É preciso não falicitar, bom amigo. Quando é preciso parar, para-se.
Adiante, e sobre este teu reparo, mais uma vez se verifica que a maior parte das pessoas não conhece o que de melhor cá temos... Têm de ser os estrangeiros, também, a mexer na nossa História.
Um abração

Tozé Franco disse...

Eujá, várias vezes. Até já lá apanhei a molha do ano no sítio masi seco de Portugal.
Um abraço.

Miguel disse...

voltou em grande!
concordo com o stor.
para o ano leve a minha turma a foz coa. nunca fui la!

Chama Violeta disse...

Seja bem-vindo de volta e obrigada por partilhar esse post. Gostei imenso.
Desejo-te um ótimo final de semana!Beijos de luz...

=^.^= Tarina =^.^= disse...

Trabalho e mais trabalho não é... ás vezes tem de ser assim...
E aqui tudo se compreende :)

Foz côa... tenho de tratar disso :)

=^.^=

AnaG. disse...

Grande falha no meu roteiro...Nunca fui a Foz Côa...

Será uma próxima...
:)

al cardoso disse...

E quase sempre assim, sao sempre os de fora que dao valor as nossas coisas!

Eu tambem sou daqueles que so conheco as gravuras de Foz Coa por fotografia e filme, nao sei se a distancia justifique uma realidade!

Um abraco amigo do d'Algodres.

Azoriana disse...

Olá,

Há um "MEME" para ti no meu blog. Recolhe-o e segue com a corrente se puderes.

Abraço

Sei que existes disse...

Já lá fui...
Beijinhos

Chama Violeta disse...

Dizei muitas vezes ao dia:

“Eu Sou uma coluna de Fogo Violeta, um foco de luz da energia cósmica, que consome tudo o que é negativo”.

Nuno disse...

Eu já estive em Vila Nova de Foz Côa, mas já foi há tantos anos que não tenho a certeza se as gravuras já tinham sido descobertas. Estou em crer que, na altura em que lá estive, a grande atracção era somente as amendoeiras em flor.

Um grande abraço,
Nuno.

Maria disse...

As figuras de Foz Côa são lindas, Moura.
Em grande actividade, pelo que vejo...

Beijo

redonda disse...

Ainda não...